segunda-feira, 15 de março de 2010

Chega de idas e vindas

Especialista dá dicas para resolver os conflitos do passado e reatar o relacionamento ou desistir de uma vez por todas de um amor perdido
 
Em Tempos modernos, Leal (Antônio Fagundes) e Hélia (Eliane Giardini), estão dando mais uma chance para um amor do passado. Depois de tapas e beijos, idas e vindas, brigas e recaídas os dois estão juntos novamente. Há quem diga que isto só acontece em novelas, mas relações mal resolvidas são muito comuns na vida real.  E vários casais continuam se amando mesmo após anos separados. Segundo o psicólogo Alexandre Bez, estes casos acontecem principalmente quando ambos não têm maturidade para manter uma relação séria.  Os pombinhos da novela da sete estão tendo uma nova chance, mas ainda existem vários segredos a serem revelados já que Hélia esconde um filho que é fruto desse velho amor. Será que essa relação cheia de mistérios vai para frente? Se você também vive esse dilema descubra qual o caminho para uma reconciliação duradoura ou quando é a hora de partir para um novo amor de verdade!

Da ficção para a realidade
Assim como na ficção, na vida real, muitos casais se continuam se amando, mesmo separados. É o caso de Akemi e Felipe Alves, eles ficaram dois anos separados, ela em Tóquio, no Japão e ele em São Paulo.  “Até que ela resolveu vir pra o Brasil e nós conversamos e acertamos os ponteiros. Fato é que eu nunca deixei de amá-la”, declara. Hoje os pombinhos estão felizes juntos, mas têm que enfrentar a saudade. “Eu estou estudando no interior e não posso levá-la comigo. Termino o meu curso no ano que vem, enquanto isso ela me espera no nosso antigo apartamento na capital”, conta o engenheiro agrônomo.  Conviver com a distância só prova que os dois estão mais maduros e mais apaixonados do que nunca. Mas, nem todos conseguem resolver os problemas e dar uma segunda chance ao amor. “Há pessoas que se gostam, mas não sentem-se preparados para se amarrar”, comenta o psicólogo. A assistente de marketing Alda Santos já passou por essa situação.“Meu ex-namorado me amava, mas era imaturo demais para namorar. Acabamos terminando por esse motivo”, lembra. Se o relacionamento de Alda teve realmente um ponto final, isso só o tempo dirá. A moça ainda não descarta a possibilidade de reconciliação. “O casal pode se repetir, mas o momento é outro. A vida não se repete, nem as situações amorosas. Pode ser que o que não deu certo no passado seja resolvido no futuro com o amadurecimento dos dois”, conclui Bez. Exatamente como na trama de Bosco Brasil. Para que o romance dê certo desta vez, eles vão ter que pensar nas diferenças um do outro e tentar se adaptar com manias e costumes. É esperar para ver!

Recaídas em xeque
Segundo o psicólogo, as recaídas nem sempre são saudáveis. “Pessoas que vivem relembrando o passado e não se desligam de amores antigos costumam ter problemas psicológicos ligados ao ego. Estas pessoas normalmente têm medo de sofrer, de ficarem sozinhas e são muito inseguras”, analisa Bez. Segundo ele esse tipo de relação na maioria dos casos não dá certo. Mas existe também outro tipo de recaída, aquelas que não são tão freqüentes e que, segundo o psicólogo, acontecem porque ambos sentem saudade do romance “Se as pessoas se encontram depois de muito tempo e percebem que ainda existe um sentimento e que na época em que ficaram juntos não eram maduros o suficiente para manter a relação, acabam tendo as famosas recaídas e podem até reatar. Mas é importante tomar cuidado para não confundir os sentimentos”, explica o especialista.

Hora de partir para outra!
Foi o que aconteceu com Daniela Andrade, o romance vai e volta acabou quando ela percebeu que já não existia mais amor e que não havia motivos pra protelar o fim do romance. “Vivi um namoro cheio de idas e vindas. Até que percebi que não valia mais a pena e parti para outra. Hoje estou muito feliz ao lado de outro homem”, conta. Chega a um ponto que os dois tem experiências de vida suficientes para aceitar que o relacionamento desgastou e encarar os fatos. “Faz parte de qualquer relacionamento fantasiar e planejar o futuro, isto quando já existe uma confiança no outro e os planos partem dos dois. Mas com um tempo acontecem desentendimentos que afastam o casal e um já não agüenta mais a convivência com o outro, por mais que exista um sentimento, ambos não sabem aceitar suas diferenças”, explica Bez. Neste caso, nem adianta insistir, o relacionamento está fadado ao fracasso. “Quando o casal resolve tentar novamente, precisa pensar se vale a pena. Será que você não está se iludindo por um sentimento que já teve? Existem relacionamentos que não devem ser retomados, pois as pessoas envolvidas não mudaram e algumas atitudes vão se repetir e criar problemas novamente, pense se você tem maturidade para conviver com o que incomodava antes. Se a resposta é sim, então vale tentar mais uma vez”, sentencia. Mas, se a resposta for não, já está mais do que na hora de partir para outra, conclui.


quarta-feira, 10 de março de 2010

Sinceridade ou inconveniência?

Falar tudo o que pensa pode virar uma arma perigosa. Cuidado para não ser contaminado por pessoas sádicas e acabar sozinha por se tornar uma delas!

Quem não conhece ou convive com alguém que tem um gênio pra lá de forte? Muitas vezes isto pode ser um incomodo e gerar vários conflitos. É exatamente o que se passa com a Isabel (Adriana Birolli) em Viver a Vida. A moça diz ser apenas sincera, mas suas atitudes e sua mania de dizer tudo o que pensa sem medo, acabam desagradando às pessoas a sua volta.  Sem dúvida que Isabel tem uma personalidade forte, além disso, a bela se mostra impulsiva, infantil e até sádica. No fundo, a estudante sente inveja do sucesso da irmã Luciana (Aline Moraes) e por ciúme a ofende e cria intrigas na família. Fora de casa o comportamento da jovem não é diferente, ela inferniza a vida da rival Ellen (Dani Suzuki), atrapalha o namoro dos amigos Renata (Barbára Paz) e Miguel (Mateus Solano), chateia Paixão (Priscila Sol) e ainda arranja tempo para pegar no pé da madrasta Helena (Taís Araújo). Mas, será que a bela é feliz assim? Segundo o psicólogo Alexandre Bez, pessoas que têm esse tipo de conduta afastam os outros e podem ter problemas de relacionamentos além de dificuldades de trabalhar em equipe. E tem mais, se você convive com uma dessas “cobrinhas” fique em alerta e não deixe que o humor negro delas contamine você! Caso contrário, mesmo sem ser má você pode se tornar uma pessoa desagradável e também ser excluída pelos outros. Siga as dicas do nosso especialista e aprenda a lidar com essa situação da melhor maneira possível.

Convivência obrigatória
A estudante de administração é extremamente carente, ela se acha o patinho feio da família, mas não é bem assim no fundo Isabel é uma pessoa querida, porém frustrada, já que os pais dão mais atenção para a irmã. Fora das telinhas estes casos são muito comuns e conviver com estas pessoas sem perder a paciência e o bom humor é muito difícil, porém não há outra saída a não ser aprender a lidar com elas. “Todos somos obrigados a nos relacionar com essas pessoas, elas não podem simplesmente ser excluídas da sociedade. Não podemos escolher as pessoas que fazem parte da nossa família, por exemplo, mas podemos driblar essas situações”, afirma o psicólogo. Aos poucos e com o tempo, todos aprendem a driblar o jeito e o gênio das pessoas, principalmente os familiares, pois quando a pessoa está sempre presente, fica mais fácil saber a hora de ignorar certas atitudes e quando se deve levar a sério o que a pessoa diz. Na trama as irmãs e a mãe Tereza (Lilia Cabral) conhecem bem o jeito da moça, ignoram e leva na esportiva alguns de seus comentários maldosos, evitando discussões que podem deixar o clima insuportável. Segundo Bez, é exatamente isso que devemos fazer para driblar a situação. “E é assim mesmo que funciona. Pessoas assim, normalmente possuem um humor negro, são bastante sarcásticas e não perdem mesmo a oportunidade de fazer piadinhas de mal gosto”, ratifica.


Entre amigas
Quando existe uma “geniosa” no ciclo de amizades, a primeira questão é: O que esta pessoa representa no grupo de amigos? Às vezes dá para relevar, e outras não, quando percebemos que há inveja, arrogância e falta de caráter, segundo o psicólogo, é hora de se afastar. “Não se pode ignorar o fato que todas estas atitudes estão ligadas ao temperamento e da personalidade das pessoas, que possuem pequenos desajustes mentais ou transtorno de personalidade. Vale ressaltar que ninguém nunca muda o seu jeito de ser, o que pode acontecer é haver uma melhora de comportamento, mas isto se a pessoa quiser e estiver realmente incomodada com seus próprios atos”, diz o psicólogo. Muitas vezes, manter esse tipo de amizade pode atrapalhar o grupo todo, afinal, é muito comum acontecer desentendimentos entre vários amigos por causa de uma só pessoa. Bez alerta ainda que a convivência com alguém que possui estas características pode ser perigoso. “Se a pessoa que convive apresenta uma fraqueza, ela pode ser contaminada também por toda negatividade da outra, mesmo que inconscientemente”, alerta. Para isto é necessário ser madura e decidida para saber controlar a situação e se impor quando necessário, orienta o especialista.
 
Dificuldades de formar equipe
Conviver com uma “Isabel” no trabalho também não é fácil, é por isso que essas pessoas tendem a ter problemas para formar equipes, seja no trabalho, na universidade ou na escola.   Temos uma vida acadêmica, pessoal, e profissional e temos que saber separá-las, porém, temos uma única personalidade e quando se trata de relacionamentos, se não formos flexíveis, vamos ter problemas”, avisa o psicólogo. Segundo ele, as outras pessoas podem não aceitar defeitos como a impulsividade e a ironia. “Quem convive com uma pessoa com todos esses desvios de comportamento pode não gostar de ser manipulado e simplesmente abrir mão da relação”, afirma. Conseqüências? Pessoas sarcásticas podem não conseguir estabelecer amizade com os colegas, mesmo no trabalho. “Quando não são isoladas pelos colegas, essas pessoas se isolam, pois não sabem ser agradáveis. Isso prejudica principalmente quando é necessário trabalho em equipe”, explica Bez completando que além de infernizar a vida dos outros, esse tipo de comportamento faz mal para a própria pessoa que o tem, pois elas não levam uma vida prazerosa e nem feliz, pois passam o tempo fazendo intrigas e prestando atenção no que acontece com as outras pessoas para tirar alguém do sério na primeira oportunidade. “Essas pessoas podem acabar sozinhas!”, conclui.

Em família
Na trama Tereza (Lilia Cabral) conhece bem o jeito de Isabel e assim como as irmãs, ignora alguns comentários inoportunos e leva na esportiva algumas piadinhas da filha. Assim ela consegue evitar discussões que poderiam deixar o clima insuportável. Segundo Bez, é exatamente isso que devemos fazer para driblar o humor negro, o sarcasmo e as ironias.
Humor negro pega!
Bez alerta ainda que a convivência com alguém que possui estas características pode ser perigosa. “Se a pessoa que convive apresenta uma fraqueza, ela pode ser contaminada por toda negatividade da outra, mesmo que inconscientemente”, salienta. Para que isso não aconteça é necessário ser madura, decidida, saber controlar a situação e se impor quando necessário, orienta o especialista.

Elas também sofrem
Mas quem pensa que essas pessoas são felizes se engana. Elas sofrem as consequências de seus atos e costumam ter dificuldades de estabelecer amizades, principalmente no trabalho. “Quando não são isoladas pelos colegas, elas mesmas se isolam, pois não sabem ser agradáveis e trabalhar em equipe”, explica Bez. O piscólogo acrescenta que além de infernizar a vida dos outros, esse comportamento faz mal para a própria pessoa que o tem, pois elas não levam uma vida prazerosa e nem feliz já que passam o tempo todo fazendo intrigas e prestando atenção no que acontece para tirar os outros do sério na primeira oportunidade. “Podem acabar sozinhas!”, conclui.


segunda-feira, 8 de março de 2010

Mulheres reais

Homens de plantão deixam sua homenagem para a personagem principal de suas vidas seja ela mãe, esposa, namorada, irmã ou amiga


Na ficção as mulheres conquistam o público e dão o que falar. Em Cama de Gato, por exemplo, Rose (Camila Pitanga) rouba a cena. Linda, trabalhadora e compreensiva ela é a companheira que todo homem sonha. Já em Viver a Vida Tereza (Lilia Cabral) é quem merece destaque por seu papel de mãe acima de tudo. Ariane (Christine Fernandes) é a profissional incansável e Luciana (Alinne Moraes) um exemplo de determinação e uma verdadeiro espelho para a irmã adotiva. E você já ouviu falar que a vida imita a arte não? Pois é. Fora das telas milhares de Terezas, Lucianas, Arianes e Roses existem por aí. Os papeis também são semelhantes. Elas são super mães, excelentes profissionais, amigas, trabalhadoras, competentes, compreensivas e lindas. E não fomos nós que dissemos tudo isso, foram eles, os homens. Para homenagear todas essas mulheres incríveis a 7dias saiu a campo para saber o que nós faz tão essenciais na vida dos marmanjos. O resultado foi surpreendente!

À todas elas
“Não admiro uma única mulher nesse mundo, e sim todas, pois a mulher é o símbolo vivo que o ser humano pode lutar e adquirir seus direitos e deveres como qualquer outra pessoa. Sinto orgulho da mulher brasileira, que luta todos os dias para sustentar o seu filho, disponibilizar uma educação de qualidade para o seu futuro, luta contra o preconceito em uma sociedade machista e arbitraria, sabe transmitir sua alegria e amor por todos os seres do Universo e principalmente por toda a sua sabedoria. O mundo sem a classe feminina seria como uma tempestade de gelo, onde sempre faltaria uma linda tarde de verão.”
Tiago Mendes, 19 anos

Especialmente para minha irmã
“Admiro muito a minha irmã por muitos motivos, principalmente porque ela é uma pessoa guerreira, traça suas metas e luta até alcançá-las, já conquistou muitos de seus sonhos. Se formou em educação física, começou dar aulas de judô para crianças, é Personal Trainner, ela sempre busca o máximo de si, fez duas cirurgias no joelho e não desiste de passar o que sabe para seus alunos”.
Rômulo Carvalho, 26 anos


Minha amada
“Minha namorada é aquela pessoa que está comigo em todos os momentos, bons ou ruins, ela compartilha cada segundo ao meu lado. É alguém com quem eu realizo meus sonhos e é a única pessoa capaz de me compreender 100%. Ela é capaz de aguentar minhas manias e me aceitar como sou. Só o amor é encobrir os defeitos dessa maneira!”
Guilherme Furtado, 21 anos

A esposa perfeita
“Admiro a forma como a minha esposa consegue lidar com diversas situações que às vezes parecem impossíveis. A palavra que melhor a define é força, pois ela sempre trabalhou muito e superou a morte de parentes próximos com sabedoria. Somos casados e temos duas filhas, ela é uma mãe exemplar, trabalhadora e ainda arruma tempo pra cuidar dos afazeres de casa e para me fazer sorrir, quando estou chateado. Ela é uma super mulher!”
Marcelo Dos Santos, 38 anos

Maezona
“Minha mãe é uma pessoa com um coração enorme, dá amor, carinho, e soube dar para mim e minha irmã uma educação admirável, é preocupada e atenciosa. É sem dúvidas uma mãezona!”
Rafael Luiz, 23 anos

Família em primeiro lugar
“Algumas mulheres se privam, sem notar, de muitas coisas, e a única coisa que importa para elas é a família. Assim é minha mãe. Ela sempre está atenta a tudo e a todos, mas com o único objetivo de manter a família bem. Acho que essa é uma das missões mais difíceis que existem, se privar de si mesma e fazer o máximo pelo próximo. Deve ser trabalhoso, desgastante, mas é um dom que ela tem e que somente uma mulher seria capaz de ter.”
Paulo Talarico, 20 anos

Orgulho da minha vida
“Todas as mulheres que fazem parte da minha vida eu admiro, mas uma em especial merece todas as palavras de carinho nesse mês é minha filha Kelly de 23 anos. Desde que nasceu, ela lutou por cada minuto de sobrevivência, enquanto ninguém acreditava nas chances que ela teria, ela mostrou o quanto é forte, e hoje está se formando em fisioterapia é o maior orgulho da minha vida”.
Roberto Nazaro, 48 anos

Madrinha querida
“A minha madrinha é uma pessoa que sempre admirei, ela é uma segunda mãe para mim. Dedicada e sempre comprometida com o que faz, é uma pessoa que eu amo demais. É uma mulher guerreira, e tem um coração enorme. Como ela não pode mais ter filhos, adotou uma menina linda, e está curtindo ser mãe de novo.”
Fábio Martins, 27 anos

Uma amigona
"Tem mulheres que transformam o lugar onde ela estão só pelo fato de estar lá. Minha amiga Alessandra é uma delas e eu a admiro muito!”
Douglas Apolinário, 23 anos

Vovó que dá exemplo
A minha avó é um exemplo de mulher, passou por diversas dificuldades na vida, com a perda do marido que deixando dois filhos para ela criar em uma situação difícil. Ela teve que dar tudo de si para cuidar da casa, dos filhos, trabalhou e sustentou a família sozinha. Mais tarde, sofreu com a perda de um filho e ficou doente. Mesmo tendo passado por tudo isto, ela sempre conseguiu manter a cabeça erguida e tocar sua vida com dignidade e força. Hoje é uma pessoa feliz, ativa, virtuosa, dançante, ao longo dos seus 73 anos.
Lucas Wanzeller, 22 anos

Briguentas de plantão
“Toda mulher merece ser admirada, elas são frágeis por fora, mas por dento tem uma força descomunal, são guerreiras, e lutam pelos objetivos. São briguentas e não sossegam até nos deixar malucos, mas depois com um jeitinho e uma fala mansinha ganham a gente novamente.”
Anderson Bizordi, 29 anos

Carinho na medida
“Lembro-me da minha mãe dizendo: "quando você estava na minha barriga, eu fazia carinho e sempre dizia que seria sua mãe e seu pai ao mesmo tempo.” Mesmo sem ter concluído o ensino fundamental, vivendo fora de seu estado e longe da família, minha mãe teve toda a força, caráter, compaixão, e todas as qualidades de mulher para superar os obstáculos e me criar com toda a educação do mundo. Ela soube ser rígida e carinhosa nas medidas certas, o que me propiciou ser a pessoa que sou hoje”.
Paulo Augusto, 25 anos

sexta-feira, 5 de março de 2010

Uma fábula pode ser contada de várias formas, por diferentes meios

Como a história da Chapeuzinho Vermelho seria por diferentes meios de comunicação?
Cada meio de comunicação tem sua forma de contar o acontecimento, ou seja, sua linha editorial. Em princípio, nenhum deles está errado, apenas são diferentes formas de contar o mesmo fato.
Vamos ver essas previsões:



JORNAL NACIONAL
*(William Bonner): "Boa noite. Uma menina chegou a ser devorada por um lobo na noite de ontem...".
(Fátima Bernardes): "... Mas a atuação de um caçador evitou uma tragédia".

*FANTÁSTICO
(Glória Maria): "... Que gracinha, gente. Vocês não vão acreditar, mas essa menina linda aqui foi retirada viva da barriga de um lobo, não é mesmo?"

*CIDADE ALERTA*:
(Datena) "... Onde é que a gente vai parar, cadê as autoridades?Cadê as autoridades? ! A menina ia para a casa da avozinha a pé! Não tem transporte público! Não tem transporte público! E foi devorada viva... Um lobo, um lobo safado. Põe na tela !! Porque eu falo mesmo, não tenho medo de lobo, não tenho medo de lobo, não."

*JORNAL DA NOITE*
(Boris Casoy) "Lobo matou vovó e quase mata chapeuzinho. É uma vergonha".

*REVISTA VEJA*
"Lula sabia das intenções do lobo".

*EXPRESSO
"Lobão se deu mal. Traçou vovó, ia pegar chapeuzinho, mas caçadores acabaram com a festa"

*REVISTA CLÁUDIA*
"Como chegar à casa da vovozinha sem se deixar enganar pelos lobos no caminho".

*REVISTA NOVA*
"Dez maneiras de levar um lobo à loucura na cama".

*REVISTA MARIE-CLAIRE*
"Na cama com o lobo e a vovó".

*FOLHA DE S. PAULO*
Legenda da foto: "Chapeuzinho, à direita, aperta a mão de seu salvador".Na matéria, box com um zoólogo explicando os hábitos alimentares dos lobos e um imenso infográfico mostrando como Chapeuzinho foi devorada e depois salva pelo lenhador.

*O ESTADO DE S. PAULO*
"Lobo que devorou Chapeuzinho seria filiado ao PT."

*ZERO HORA*
"Avó de Chapeuzinho nasceu no RS".

*AQUI*
"Sangue e tragédia na casa da vovó".

*REVISTA CARAS *
(Ensaio fotográfico com Chapeuzinho na semana seguinte)Na banheira de hidromassagem, Chapeuzinho fala a
CARAS: "Até ser devorada, eu não dava valor para muitas coisas da vida. Hoje sou outra pessoa".

*PLAYBOY*
(Ensaio fotográfico no mês seguinte)"Veja o que só o lobo viu".

* REVISTA ISTOÉ *
"Dossiê Lobo: denúncias criaram CPI"

REVISTA EXAME*
"Caçadores fundam consultoria especializada em gestão de riscos"

* CAROS AMIGOS*
"O grito dos excluídos: Passeta a favor da paz critica truculência dos caçadores"

*G MAGAZINE*
(Ensaio fotográfico com lenhador)"Lenhador mostra o machado"
Posted on sexta-feira, março 05, 2010 | Categories: ,