quarta-feira, 10 de março de 2010

Sinceridade ou inconveniência?

Falar tudo o que pensa pode virar uma arma perigosa. Cuidado para não ser contaminado por pessoas sádicas e acabar sozinha por se tornar uma delas!

Quem não conhece ou convive com alguém que tem um gênio pra lá de forte? Muitas vezes isto pode ser um incomodo e gerar vários conflitos. É exatamente o que se passa com a Isabel (Adriana Birolli) em Viver a Vida. A moça diz ser apenas sincera, mas suas atitudes e sua mania de dizer tudo o que pensa sem medo, acabam desagradando às pessoas a sua volta.  Sem dúvida que Isabel tem uma personalidade forte, além disso, a bela se mostra impulsiva, infantil e até sádica. No fundo, a estudante sente inveja do sucesso da irmã Luciana (Aline Moraes) e por ciúme a ofende e cria intrigas na família. Fora de casa o comportamento da jovem não é diferente, ela inferniza a vida da rival Ellen (Dani Suzuki), atrapalha o namoro dos amigos Renata (Barbára Paz) e Miguel (Mateus Solano), chateia Paixão (Priscila Sol) e ainda arranja tempo para pegar no pé da madrasta Helena (Taís Araújo). Mas, será que a bela é feliz assim? Segundo o psicólogo Alexandre Bez, pessoas que têm esse tipo de conduta afastam os outros e podem ter problemas de relacionamentos além de dificuldades de trabalhar em equipe. E tem mais, se você convive com uma dessas “cobrinhas” fique em alerta e não deixe que o humor negro delas contamine você! Caso contrário, mesmo sem ser má você pode se tornar uma pessoa desagradável e também ser excluída pelos outros. Siga as dicas do nosso especialista e aprenda a lidar com essa situação da melhor maneira possível.

Convivência obrigatória
A estudante de administração é extremamente carente, ela se acha o patinho feio da família, mas não é bem assim no fundo Isabel é uma pessoa querida, porém frustrada, já que os pais dão mais atenção para a irmã. Fora das telinhas estes casos são muito comuns e conviver com estas pessoas sem perder a paciência e o bom humor é muito difícil, porém não há outra saída a não ser aprender a lidar com elas. “Todos somos obrigados a nos relacionar com essas pessoas, elas não podem simplesmente ser excluídas da sociedade. Não podemos escolher as pessoas que fazem parte da nossa família, por exemplo, mas podemos driblar essas situações”, afirma o psicólogo. Aos poucos e com o tempo, todos aprendem a driblar o jeito e o gênio das pessoas, principalmente os familiares, pois quando a pessoa está sempre presente, fica mais fácil saber a hora de ignorar certas atitudes e quando se deve levar a sério o que a pessoa diz. Na trama as irmãs e a mãe Tereza (Lilia Cabral) conhecem bem o jeito da moça, ignoram e leva na esportiva alguns de seus comentários maldosos, evitando discussões que podem deixar o clima insuportável. Segundo Bez, é exatamente isso que devemos fazer para driblar a situação. “E é assim mesmo que funciona. Pessoas assim, normalmente possuem um humor negro, são bastante sarcásticas e não perdem mesmo a oportunidade de fazer piadinhas de mal gosto”, ratifica.


Entre amigas
Quando existe uma “geniosa” no ciclo de amizades, a primeira questão é: O que esta pessoa representa no grupo de amigos? Às vezes dá para relevar, e outras não, quando percebemos que há inveja, arrogância e falta de caráter, segundo o psicólogo, é hora de se afastar. “Não se pode ignorar o fato que todas estas atitudes estão ligadas ao temperamento e da personalidade das pessoas, que possuem pequenos desajustes mentais ou transtorno de personalidade. Vale ressaltar que ninguém nunca muda o seu jeito de ser, o que pode acontecer é haver uma melhora de comportamento, mas isto se a pessoa quiser e estiver realmente incomodada com seus próprios atos”, diz o psicólogo. Muitas vezes, manter esse tipo de amizade pode atrapalhar o grupo todo, afinal, é muito comum acontecer desentendimentos entre vários amigos por causa de uma só pessoa. Bez alerta ainda que a convivência com alguém que possui estas características pode ser perigoso. “Se a pessoa que convive apresenta uma fraqueza, ela pode ser contaminada também por toda negatividade da outra, mesmo que inconscientemente”, alerta. Para isto é necessário ser madura e decidida para saber controlar a situação e se impor quando necessário, orienta o especialista.
 
Dificuldades de formar equipe
Conviver com uma “Isabel” no trabalho também não é fácil, é por isso que essas pessoas tendem a ter problemas para formar equipes, seja no trabalho, na universidade ou na escola.   Temos uma vida acadêmica, pessoal, e profissional e temos que saber separá-las, porém, temos uma única personalidade e quando se trata de relacionamentos, se não formos flexíveis, vamos ter problemas”, avisa o psicólogo. Segundo ele, as outras pessoas podem não aceitar defeitos como a impulsividade e a ironia. “Quem convive com uma pessoa com todos esses desvios de comportamento pode não gostar de ser manipulado e simplesmente abrir mão da relação”, afirma. Conseqüências? Pessoas sarcásticas podem não conseguir estabelecer amizade com os colegas, mesmo no trabalho. “Quando não são isoladas pelos colegas, essas pessoas se isolam, pois não sabem ser agradáveis. Isso prejudica principalmente quando é necessário trabalho em equipe”, explica Bez completando que além de infernizar a vida dos outros, esse tipo de comportamento faz mal para a própria pessoa que o tem, pois elas não levam uma vida prazerosa e nem feliz, pois passam o tempo fazendo intrigas e prestando atenção no que acontece com as outras pessoas para tirar alguém do sério na primeira oportunidade. “Essas pessoas podem acabar sozinhas!”, conclui.

Em família
Na trama Tereza (Lilia Cabral) conhece bem o jeito de Isabel e assim como as irmãs, ignora alguns comentários inoportunos e leva na esportiva algumas piadinhas da filha. Assim ela consegue evitar discussões que poderiam deixar o clima insuportável. Segundo Bez, é exatamente isso que devemos fazer para driblar o humor negro, o sarcasmo e as ironias.
Humor negro pega!
Bez alerta ainda que a convivência com alguém que possui estas características pode ser perigosa. “Se a pessoa que convive apresenta uma fraqueza, ela pode ser contaminada por toda negatividade da outra, mesmo que inconscientemente”, salienta. Para que isso não aconteça é necessário ser madura, decidida, saber controlar a situação e se impor quando necessário, orienta o especialista.

Elas também sofrem
Mas quem pensa que essas pessoas são felizes se engana. Elas sofrem as consequências de seus atos e costumam ter dificuldades de estabelecer amizades, principalmente no trabalho. “Quando não são isoladas pelos colegas, elas mesmas se isolam, pois não sabem ser agradáveis e trabalhar em equipe”, explica Bez. O piscólogo acrescenta que além de infernizar a vida dos outros, esse comportamento faz mal para a própria pessoa que o tem, pois elas não levam uma vida prazerosa e nem feliz já que passam o tempo todo fazendo intrigas e prestando atenção no que acontece para tirar os outros do sério na primeira oportunidade. “Podem acabar sozinhas!”, conclui.


0 Opiniões: