domingo, 25 de julho de 2010

domingo, 11 de julho de 2010

O Diário de Anne Frank - Parte II

O Sonho do reconhecimento
Anne Frank

"O Diário de Anne Frank" é um livro que particularmente tenho um grande apreço, a um tempo atrás, havia feito um post sobre o livro, na realidade havia colocado a sinopse, vídeos e fotos para que quem não conhecesse, tivesse a oporunidade de conhecer pelo menos parte do que foi a história de Anne. Mas neste post, vou colocar um trecho do diário dela, em que me chama muito a atenção.
Era uma menina de 14 anos sonhadora e mesmo muito nova, traçou diversos ideais, um dos maiores sonhos de Anne era tornar-se jornalista e escritora, ainda pensava que assim que a guerra terminasse ela iria prestar solidariedade aos necessitados. sentia-se sozinha e até desprezada pelas poucas pessoas que tinha na vida. O que surpreende mesmo era que mesmo presa por anos naquele Anexo, sonhava com o fim da guerra, que tudo ficaria resolvido, e os Judeus passariam a ser vistos como pessoas normais. Pois naquele momento não passavam de um povo perseguido, que como ela mesmo descreveu, o mundo os viam como seres diferentes.
Segue um trecho do diário da jovem:

O Diário

QUARTA-FEIRA, 5 DE ABRIL DE 1944
"...Finalmente percebi que devo fazer os deveres de escola, para não ficar ignorante, para continuar com a vida, para me tornar uma jornalista, porque é issto que desejo! Eu sei que posso escrever. Algumas de minhas histórias são boas, minhas descrições do Anexo Secreto são bem-humoradas, boa parte de meu diário é vivo e interessante, mas... resta saber se realmente tenho talento."

"... eu sempre reclamava por não conseguir desenhar, mas agora me sintofelicíssima por saber escever. E se não tiver talento para escrever livros ou artigos de jornal, sempre posso escrever para mim mesma. Mas quero conseguir mais do que isso. Não consigo me imaginar vivendo como mamãe, a Sra. Van Daan e todas as mulheres que fazem seu trabalho e depois são esquecidas. Preciso ter alguma coisa além de um marido e filhos a quem me dedicar! Não quero que minha vida tenha sido em vão, como a da maioria das pessoas. Quero ser útil ou trazer alegria a todas as pessoas, mesmo àqueles que jamais conheci. Quero continuar vivendo depois da morte! E é isso que agradeço tanto a Deus por ter me dado este dom, que posso usar para me desenvolver e para exprimir tudo que existe dentro de mim!

Quando  escrevo consigo afastar todas as preocupações. minha tristeza desaparece, meu ânimo renasce! Mas - e esta é uma grande questão - será que conseguirei escrever alguma coisa grande, será que me tornarei jornalista ou escritora?..."


Algumas palavras são fortes, isto porque parte do que esta menina de apenas 14 anos de idade desejou, tornou-se realidade. Não da forma como ela imaginou, talvez se fosse, teriamos grandes obras de Anne Frank, mas tornou-se conhecida por muitas pessoas que ela jamais conheceria, pessoas do mundo inteiro.

"O diário de Anne Frank" é mais uma lembrança da terrível guerra, é um material impresso que nos faz refletir e pensar sobre a força de um desejo. E Anne foi um exemplo disto. Seu diário é também um importante conteúdo que faz com que as pessoas lembrem-se do holocausto e não se esqueçam nunca! Coisa que alguns países como os do Oriente Médio se nega a crer, o presidente iraniano Mahmoud  Ahmadinejad, afirmou que isto não passa de mais uma farsa da História, ainda, em escolas essa parte da história está sendo extinta dos livros didáticos, para que as próximas gerações não acreditem na tragédia que aconteceu. E o pior disso tudo, é que realmente tem pessoas que se nega a crer nesse fato, e acha um absurdo aqueles que creem. Imagine quantos gênios, ídolos, e grandiosos nomes foram perdidos cruelmente no Holocausto.


Imagens 


Monumento em Amsterdão de Anne Frank

A passagem secreta

Esquema da casa e o esconderijo

Peter Van Pels (um jovem judeu que vivia no anexo com Anne, era seu grande amigo e amor)