sábado, 9 de julho de 2011

Vigie a sua autoestima

“Para o alto e avante”, é o lema adotado pela publicitária Gisela Rao, que da dicas inusitadas para você dar um UP na sua autoestima 
(Por Joyce Barreto)
A publicitária Gisela criou o blog “Vigilantes da autoestima”, com a ideia de levantar o astral das pessoas, principalmente da maioria das mulheres que são mais emotivas e ficam deprimidas facilmente. Todos os dias passamos por diversas situações sejam positivas ou negativas, podem até marcar as nossas vidas para sempre e serem causadoras da baixa-autoestima. E quando isto acontece é preciso muita força de vontade para recuperá-la, que só é possível quando nos conhecemos de verdade.

Segundo a blogueira a autoestima é dividida em quatro partes: Visual, amorosa, profissional e familiar. Ela explica em sua página porque isto acontece e da dicas de como superar. “É importante que as pessoas passem a olhar para si mesmas e parem de dar valor ao que os outros pensam a seu respeito, o blog está lá para fazê-las refletir sobre isso”, explica a blogueira.

Visual
Vem do autojulgamento. A maioria das mulheres fixa uma imagem negativa sobre si mesmas, e sofre por estar acima do peso, ter um cargo inferior na empresa e, principalmente, não gostar do que vê refletindo no espelho. “Boa parte desta angustia é imposta pela mídia, que constrói um perfil de mulher perfeita (e irreal). Mas quem disse que elas são felizes? É muito mais comum nessas pessoas o sentimento de vazio”, afirma Gisela. Quando a situação é essa, aumenta a preocupação com a opinião alheia e a possibilidade de se sensibilizar com críticas destrutivas se acentuam. “É preciso entender que não tem como agradar todo mundo”. Neste caso, livre-se dos pensamentos negativos e pare de alimentar a autocrítica. Busque o que lhe dá prazer, cuide de você e providencie mudanças que resgatem sua autoestima.

Amorosa

 Na maioria das vezes os relacionamentos quando abalados geram dúvidas e quando as coisas não vão bem, as pessoas mais inseguras começam a se culpar e se fazerem de vitimas. E se o relacionamento termina sentem-se mal, e se aprofundam na tristeza. “Quando estão sozinhas, não conseguem entender as razões, passam a achar defeitos em si mesmos. Com isto geram um bloqueio e não conseguem se relacionar com as outras pessoas justamente por não acreditar que são capazes de satisfazer alguém”, explica.
O ciúme também é um contribuinte da baixo-autoestima, reparar nas outras pessoas e começar a se enxergar inferior, causa medo da perda e insegurança. “Além de uma relação tóxica, você se prende a pessoa porque inconscientemente prefere alimentar o seu ego a ficar sozinha. Vira uma competição, de uma tentar ser melhor do que a outra, são estes fatores que despertam a vontade de tornar-se objeto de desejo. É prejudicial porque a pessoa vive se autoanalisando”, garante Gisela.       

A receita para não se depreciar é não colocar ninguém a cima de você, não permita que façam com você qualquer coisa que lhe deprima. Você é melhor, ame-se mais, sempre acima de qualquer suspeita.                  

Profissional

É mais comum acontecer quando a pessoa está em uma posição que não gostaria e se deprime quando não consegue apresentar bons resultados. “Deixe a lamentação de lado. Pare de se ver como vítima. Procure entender os reais motivos que geraram os problemas e mostre seu potencial para conseguir o que deseja. É preciso s empenhar e correr atrás do que deseja”, aconselha.

Familiar

A queda da autoestima na questão familiar ocorre por vários fatores. O mais comum é a rejeição de pais na infância, o que pode impactar na falta de amor-próprio em todas as esferas: aparência física, ida amorosa e carreira profissional. Quando a criança é desprezada, pode carregar isso para a vida toda, se não procurar ajuda para lidar com essa situação.

Mude o quadro
Gisela explica que é comum as pessoas formar listas de infelicidades, só conseguimos enxergar o lado ruim das coisas, até porque é o que nos incomoda. “As pessoas precisam aprender a listar as suas felicidades, as consequências boas de tudo aquilo que realiza. “Mova-se, você tem que se sentir ativa, saiba assumir suas falhas para conseguir corrigi-las, liste suas qualidades”, recomenda.

Quer melhorar a aparência, nada de optar por atividades que você não gosta, só porque promete resultados. Busque algo que lhe proporcione prazer, comece a sair mais com seus amigos, permita-se e preencha os seus tempos livres.

(Por Joyce Barreto - Saiu na revista 7dias, edição 414)

13 Opiniões:

Blog UaiMeu! disse...

Que iniciativa mais bem vinda! Todo mundo sente desprestigiada muitas vezes. Atire a primeira pedra quem nunca se sentiu excluida? Ahh acontece toda hora e com todo mundo!
Muito legal seu blog!
Retribuindo sua visita!

Macaco Pipi disse...

vc se conhece e é mais feliz ;D

Andy A. disse...

Certas coisas podem abalar demais nossa estima , mas temos que controlar para que isso não torne algo sério .
seguindo seu blog , segue o meu ae

http://andyantunes.blogspot.com/

Kell disse...

Nossa, que legal vc divulgar este blog! Ele parece ser sensacional! :)
Adorei seu blog! Estou seguindo!
Parabéns!
Raquel
http://heathandfriends.blogspot.com; http://jornalkell.blogspot.com

Aline Thompson disse...

Oi! Curti o post
Seguindo
Se puder retribui seguindo
meu diário virtual
http://odiariothompson.blogspot.com
e qualquer hora visite também meu outro blog http://ojeitoaline.blogspot.com

...beijinhos***

Paulo Cheng disse...

Oi Joy, também gostei muito do teu blog, bem legal, valeu pela visita, beijão e abração pra ti.

Léo disse...

Oiii!
Bom, acho que sobre esse assunto eu posso falar um pouquinho afinal autoestima alta nunca foi meu ponto forte. Sempre fui uma pessoa com tendências a depressão, desde pequeno. Quando adolescente pude notar que parte desta “tristeza” se dava por ter autoestima baixa, e confesso até hoje não consegui elevá-la. Porém, aprendi a conviver com isso, tentando deixar de lado certos preceitos que a sociedade insiste em nos impor em relação a beleza, profissão, dentre outras coisas superficiais. Aprendi que ninguém deveria se cobrar tanto pra ser o melhor em qualquer coisa. Lembre-se daquela velha frase: _“Não importa se você é o melhor no que faz, tem sempre uma criança japonesa que é melhor ”rsrs. Falando serio, temos saúde, temos amigos, temos família pra nos ajudar, isso pra mim já é motivo pra melhorar minha autoestima. Claro que sofro com autoestima extremamente baixa principalmente quando se trata de relação social afinal minha timidez se deve a isso (seria hipocrisia dizer que não), mas tento na medida do possível esquecer o que o mundo pede e olhar pra mim (“egoísmo” sem exagero também pode ajudar). Desculpa o desabafo!!!
Adorei o post. :)

Lucas D.F. disse...

acho digno qualquer tipo de ajuda a si proprio...
=)
http://meninos-cor-de-rosa.blogspot.com/

Angel Martins disse...

Retribuindo a visita! Muito, muito obrigada por participar do meu blog e pelo carinho das suas palavras...bjss

http://angelmartinss.blogspot.com/

Lilly disse...

Oi, gostei do seu blog! Sucesso!

http://iampurplepineapple.blogspot.com/

best fakes disse...

seu post tá ótimo parabéns pelo blog

http://bestfakesnet.blogspot.com/

Aline Diedrich disse...

Interessante. Vou dar uma passadinha por lá!

Fernanda disse...

Superbacana o título "Vigilantes"! Não se pode deixar a autoestima ganhar muito peso nem emagrecer além da conta; o ego tem de pesar igual à gente, refletir-nos. Tem bastante a ver com minha postagem de hoje, sobre humildade. Beijíssimos e sucesso!