domingo, 27 de outubro de 2013

Liliana Crociati de Szaszak

No post “Cemitério da Recoleta – Buenos Aires” Mencionei que um dos principais mausoléus que me chamou a atenção foi o da italiana Liliana Crociati de Szaszak, vou explicar por que.


O túmulo de Liliana fica localizado em uma das esquinas do cemitério da Recoleta, e mesmo que se trate de um túmulo, é harmonioso, por causa da delicadeza na qual foi esculpido a imagem da moça e seu cachorro. O pai de Liliana pediu ao escultor Wieredovol VIladrich um mausoléu que imitasse a frente do quarto da filha e além a imagem em tamanho real de Liliana, esculpiu a imagem do cachorro Sabú, o fiel companheiro da moça.

Túmulo de Liliana Crociati de Szaszak
Por Joyce Barreto Chicon
No dia 26 de fevereiro de 1970, com 26 anos de idade, a jovem Liliana passava sua lua de mel em Innsbruck na Áustria. Quando uma tragédia aconteceu, seu quarto de hotel foi atingido por uma avalanche, que a matou. Conta a história que nesse mesmo dia (ou muito próximo disso), seu cachorro Sabú faleceu.

A mãe de Liliana projetou o túmulo no estilo gótico, tentando destacá-lo dos demais túmulos do cemitério. Abaixo da estátua de Liliana e Sabú há um pódio de pedra que exibe uma placa, onde o pai de Liliana escreveu um poema (em italiano) expressando seus sentimentos pelo o que ocorreu com a filha.

“A Mia Figlia”

Solo mi chiedo il perché
Tu se partita e distrutto hai lasciato il mio cuore
Che te solamente voleva, perché?
Perché? Solo il destino sà il perché e mi domando perché?
Perché non si può stare senza te, perché?
Tanto bella eri che la natura invidiosa ti distrusse, perché?
Perché, solo mi domando se Dio c'é, con se porta via ciò che suo non è
Perché ci distrugge e lascia all'infinito il dolore!
Perché? Credo al destino e non a te, perché?
Perché solo sò che sempre sogno con te, perché c'é di che?
Per tutto l'amore che sente il mio cuore per te.
Perché? Perché?
Il tuo papá

Tradução

À minha filha
Somente me pergunto o porquê
Tu te foste e deixaste meu coração destruído
O qual apenas te queria, por quê?
Por quê? Apenas o destino sabe a razão, e eu me pergunto: por quê?
Porque não podemos ficar sem ti, por quê?
Tu eras tão bonita que a natureza, invejosa, destruiu-te. Por quê?
Apenas me pergunto por que, se há um Deus, ele leva-te em Seu nome.
Porque ele nos destrói e nos deixa numa eternidade de tristezas!
Por quê? Eu acredito no destino, não em Você. Por quê?
Porque apenas sei que sempre sonho contigo, por que isso?
Por todo o amor que meu coração sente por ti.
Por quê? Por quê?
Teu Papai

Liliana Crociati de Szaszak
Fonte: recoletacemetery

Sabú
Fonte: recoletacemetery



Fonte:recoletacemetery


Fonte: recoletacemetery

Fonte: recoletacemetery
---

É uma história triste, mas que se um dia você for até o Cemitério da Recoleta, entre tantas histórias riquíssimas, não deixe de conhecer o mausoléu de Liliana Crociati de Szaszak.

É claro que existem outras inúmeras histórias tristes, curiosas e também apaixonantes no cemitério da Recoleta de Buenos Aires. Para conhecer um pouquinho mais, acesse: http://www.recoletacemetery.com/.

Até o próximo post...


sábado, 26 de outubro de 2013

Cemitério da Recoleta - Buenos Aires

Nos posts anteriores, falei sobre a viagem a Buenos Aires que meu namorado e eu fizemos nessas férias, falei sobre “A crise da Argentina” e comecei a falar em como foi a “viagem para Buenos Aires”. 

E prometi que falaria sobre todos os detalhes que mais chamaram a atenção na viagem.

Aqui falo sobre o Cemitério da Recoleta, que foi um dos mais incríveis passeios que fizemos muito rico em conhecimento e bem curioso também.

Cemitério da Recoleta - Buenos Aires
Cementerio de la Recoleta assim falam os portenhos. O Cemitério foi inaugurado em 1822 no harmonioso e nobre bairro da Recoleta. Flores cercam o cemitério, na entrada um jardim verde que recebe os visitantes. A mistura da flora com a beleza arquitetônica é um convite para conhecer o que há de tão especial dentro do cemitério.

Quando falamos de “cemitérios” algumas pessoas mostram repulsa, porque já imaginam o ambiente e cenas fúnebres, mas não estamos falando de um cemitério simples, no qual o movimento lá dentro é para condolências, ou cerimônias funerárias. Falo de um cemitério que carrega aulas riquíssimas da história argentina. Além de obras artísticas de deixar qualquer um admirado e esquecer que está dentro de um cemitério.

Assim como o cemitério da Consolação em São Paulo, o Cemitério da Recoleta em Buenos Aires possui grande influência francesa, e em suas instalações existem a maior parte das famílias aristocratas da Argentina.

Lá, muitos mausoléus são famosos e alguns turistas vão direto a procura dessas, como:

Eva Perón

Eva (Evita) Duarte de Perón (1919-1952), considerada a defensora dos trabalhadores, esposa do general Juan Domingo Perón.

Luis Federico Leloir (1906-1987), cientista ganhador do prêmio Nobel de Química de 1970.

José Hernández (1834-1886), reconhecido peta e político.

Miguel Cané (1851-1905), escritor e advogado.

Victória Ocampo (1891-1979), escritora e editora.

Victória Ocampos
 Nicolás Avellaneda (1837-1885), foi presidente da Argentina 
entre 1874 e 1880. Além de advogado e jornalista.

 Adolfo Bioy Casares (1914-1999), escritor de obras famosas, também escreveu com outros autores de peso no país.

Miguel Juárez Celman (1844-1909), foi presidente da Argentina e advogado.

Cosme Argerich (1758-1820), primeiro mestre de estudos médicos da Argentina. 

Blanca Podestá (1889-1967), atriz e produtora enterrada no jazigo familiar García Velloso.
Cosme Argerich

Carlos Maria de Alvear (1789-1852), soldado que lutou pela independência americana.

Alejandro Vicente López y Planes (1785-1856), autor do hino nacional da Argentina.

Juan Andrés Gelly Y Obes (1815-1904), chefe do Estado-Maior do Exército da Argentina na guerra do Paraguay.





Além de milhares de outros nomes famosos e muito importantes da história da Argentina.

Lá, tiramos algumas fotos incríveis do cemitério, e vou compartilhar com vocês!

Para ver em tamanho original, clique sob a foto.




















No próximo post, falarei sobre o mausoléu que entre todos me chamou mais atenção, e fiz questão de pesquisar detalhes sobre toda a história da italiana Liliana Crociati. Vocês entenderão porque.

Então... Até o próximo post amigos blogueiros...



Posted on sábado, outubro 26, 2013 | Categories:

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Viagem para Buenos Aires

Em resumo...

Argentina -
Por Joyce Barreto Chicon
Domingo – 06 de Outubro: desembarcamos cerca das 11 horas da manhã no Aeroporto de Ezeiza em Buenos Aires – Argentina. Lá fomos em busca da agência de turismo da qual compramos nossa viagem, para o traslado do aeroporto até o hotel. Durante o caminho, um guia explicava os detalhes principais sobre a viagem e os passeios. 

Olhando através da janela da Van, reparei que diferenças entre as rodovias de São Paulo e Buenos Aires são... Nenhuma! Ao alcance dos olhos: pontes, comércios, uma grande dimensão de periferias, carros, pedágios e mais carros...

Repito, terão os que discordarão desse meu post e dirá que estou falando só baboseiras. Me resta repetir que respeito opiniões alheias, mas insisto que a vontade de desqualificar o Brasil perante QUALQUER outro país é sempre mais saboroso para a maioria dos brasileiros. Infelizmente.! Ok, sou suspeita a tocar no assunto, me considero patriota, e não canso de dizer que a cada dia eu amo ainda mais o meu país.

Voltando a Buenos Aires, tenho muita coisa extraordinária para falar da cidade. Chegamos ao Pestana Hotel, localizado bem no centro da cidade, muito próximo ao Obelisco e as ruas mais agitadas do centro. Adianto que fomos muito bem atendidos pelos funcionários do hotel, um almoço rápido por lá, e depois andar pela Recoleta. Nesse dia 06 de Outubro em um domingo, acontecia uma feira de antiguidades na praça da Recoleta, bem grande, com pequenas apresentações na rua, diferentes trabalhos expostos, e um cenário arquitetônico incrível em volta.

Praça da Recoleta -
Por Joyce Barreto Chicon
Foi assim que fomos atraídos para dentro do cemitério da recoleta. E o que geralmente causaria repulsa nas pessoas, pelo simples fato de ser um cemitério, surpreende com os fantásticos mausoléus com inspirações francesas construídos em toda extensão do local. Além de muito bonito e tocante, o cemitério carrega grandes histórias de toda Argentina, das personalidades marcantes de diferentes séculos. Achei tudo tão incrível que vou dedicar um post apenas sobre o cemitério, assim fica mais fácil de entender o que afirmo neste parágrafo e não prolongo ainda mais esse post.

Cemitério da Recoleta
http://www.cementeriorecoleta.com.ar/

Aproveitamos a noite nos bares e com um som legal. Admirei muito os portenhos pela lealdade a seu país e sua cultura, pouco se ouvia músicas norte americanas ou de qualquer outro país que não fosse o deles. Nos bares, as músicas ambientes das lojas e cafeterias, nos rádios dos carros dos taxistas, enfim. Citei a música, mas isso ocorre em tudo quando o assunto é cultura da Argentina. Pontinha de inveja, queria que no Brasil houvessem brasileiros tão patriotas que soubesse admirar sua própria cultura, que é riquíssima... (*devaneando*)

Caminhada combina com café!

Café Martinez -
Por Joyce Barreto Chicon

Sou fã número 1 de um saboroso cafezinho, entre meus maiores lazeres, conhecer novas cafeterias e apreciar a bebida está no topo, principalmente se for dentro de livrarias, aí me sinto no céu, e não preciso de mais nada. E a cada esquina do centro de Buenos Aires, lá estava um convidativo café.

Meu namorado e eu somos fã de uma boa caminhada... Mesmo, bater perna é com a gente. Não estou falando de minutinhos andando apreciando vitrinas. Falo de andar, andar, andar e sempre chegar a um ponto em que não aguentamos mais o peso do corpo, pernas bambas e pés doloridos... Pés avermelhados, sim! Cicatrizes no tornozelo causadas por sapatos, SIM! Joelhos e panturrilhas doloridas, SIM! E sim, eu tenho calos nos dedos ;)

Mas espera, tudo tem o seu lado maravilha, e o nosso tem, nosso dia rende e nossos passeios ainda mais. E a cura? Um bom cafezinho pra começar a andar tudo de novo para qualquer outro lado. E foi assim que conhecemos todas as ruas famosas e isoladas que rodeiam o centro de Buenos Aires em 04 dias.

Arquitetura

Por Joyce Barreto Chicon

Por Joyce Barreto Chicon

Já andou pelo centro mais antigo do seu estado? O meu é São Paulo, e quem conhece sabe, que o centro possui construções histórias fantásticas, para mim são como poesias em tijolos e concreto. Em Buenos Aires não é diferente, difícil é andar com o olhar fixo sempre à frente.

Por todos os lados a arquitetura surpreende e quando você percebe, está de queixo caído e falando qualquer frase sem sentido de admiração. RIQUÍSSIMO e lindo, construções tão antigas que você viaja no tempo.

Realização

Malfalda, personagem de Quino
Por Joyce Barreto Chicon
É como digo, todo mundo traça seus objetivos em suas viagens e eu sempre disse “Quando eu for para a Argentina, já ficarei satisfeita em conhecer a estátua da Mafalda, e tirar uma foto com ela.” Pronto, realizado!

Eu precisei sentar ao lado dela
- Por Jefferson Alexandre Rodrigues
E ao visitar o Caminito, comprei um retrato dela.

Uma loja no Caminito fez a minha alegria
- Por Jefferson Alexandre Rodrigues
Pesos

Pesos, tudo barato em Buenos Aires? Vai pensando que é fácil...
Por Joyce Barreto Chicon
Atualmente a cotação oficial do peso para o real está se seguinte forma:

A cada R$ 1,00 = $2,66
Mas se você pesquisar um pouco consegue trocar por mais. Por exemplo, nós conseguimos trocar com nossa guia de viagem da agência de turismo cada R$ 1,00 = $ 3,00. Nos últimos momentos descobrimos que conseguíamos por $3,50. E com um pouco mais de esforço, era possível trocar até por $4,00.

Presentinhos

Por Joyce Barreto Chicon

Por Joyce Barreto Chicon

Por Joyce Barreto Chicon

Por Joyce Barreto Chicon
Não, em Buenos Aires NADA É BARATO COMO DIZEM. Esquece a ideia de viajar para lá e trazer a mala mais cheia de presentinhos e seja lá o que for. A menos que você não tenha muita noção do que fazer com o seu dinheiro, mesmo.

É claro que existem poucas coisas que valem a pena comprar por lá, mas como eu disse no meu último post no blog, essa mesma coisa, se você pesquisar bem por aqui no Brasil encontra pelo mesmo valor e até mais barato. E cá entre nós, nessas condições eu prefiro que o meu dinheiro circule por aqui no país tropical e bonito por natureza.

Não entro nesse assunto, de uma olhada no post “En Buenos Aires: A crise da Argentina”, e entenda melhor esse inter título.

Valeu a viagem

Basílica de Nossa Senhora de Luhan
Por Joyce Barreto Chicon
Zoo Temaiken
Tudo foi o máximo, ainda mais porque conhecemos muito da cultura do país, não o suficiente, mas foram quatro dias ricos e conhecimento. Cada detalhe valeu a pena, o passeio no cemitério me deixou impressionada, sou alucinada pelo movimento gótico e a igreja de Nossa Senhora de Luhan me deixou abobalhada, tudo muito lindo e empolgante. Mas a experiência que nos arrancou mais sorrisos, nos vimos crianças novamente e a experiência única, foi no zoológico Temaiken, o contato com os animais dos maiores que é o que todo mundo faz filas para ver até os menores que ficam soltos pelo Zoo. Maravilhoso!





Me chamem de boba, aliás gritem o quanto sou boba, mas a imagem de cada animal e a sensação do toque no pelo deles, a boca e dentes raspando nas nossas mãos procurando comida que oferecíamos, o bico do pato cutucando a palma da mão com todo cuidado atrás de cada grão de ração e a sensação das lambidas que de repente nos surpreendia, valeu a viagem inteira.  

--

Embora o texto grande, esse foi um curto resumo do que foi nossa viagem, aos poucos vou liberando posts de momentos mais específicos, e que servem como dicas para quem quer conhecer o país dos portenhos.

Posted on sexta-feira, outubro 25, 2013 | Categories:

sábado, 12 de outubro de 2013

En Buenos Aires: A crise da Argentina

A crise que ninguém te contou, porque é camuflada pelo país vizinho, mas faz uma grande diferença no bolso dos turistas
Joyce Barreto Chicon
(fontes creditadas no final do post)



Sobre as novidades das férias vou postando por partes, voltei de Buenos Aires na quinta-feira (10/10/2013). Fomos meu namorado e eu, e ficamos hospedados bem no centro da Cidade, muito próximo ao Obelisco. A viagem foi excelente, fizemos o mais interessante: conhecer lugares e histórias, além de adicionar novas experiências.

Vai ter gente que ao ler este meu post vai achar a maior besteira, meus cumprimentos a vocês, mas é hora de viver um pouco a realidade e manter-se mais informado!

Antes de viajarmos ouvimos de amigos e conhecidos que lá em Buenos Aires era excelente para compras, a comida super barata, o couro barato, apesar de preferir acrescentar experiências a que gastar dinheiro com o que não acrescenta nada. Imaginamos que voltaríamos com uma segunda mala de presentinhos... E não passou disso, ficou só na imaginação.

Vou contar uma coisa a vocês, que entendemos melhor por lá, a crise da Argentina vai além do que vemos nos jornais aqui no Brasil. Lendo notícias que só circulam pelo país, e nada transparente para os turistas interessados em conhecer a cidade dos portenhos.

Por Joyce Barreto Chicon

A percepção começa quando um cafezinho custa $25 pesos, o que equivale cerca de R$ 5 a R$ 6 (isso se a cota que você conseguir for maior que a oficial no país, do contrário seu café equivale cerca de R$ 8), o que convenientemente concordamos que é o nosso café caro aqui no Brasil.

Pois é, isso é um exemplo de que nem tudo o que todos acham super barato por lá, será barato também na sua opinião. Confesso que desde o simples café, um almoço e os preços expostos nas vitrinas nos surpreenderam muito.

Vamos aos fatos

As notícias contam que os preços no país sobem a cada semana, e isso faz parte da nova política econômica que vem sendo adotada nos últimos cinco meses na Argentina. Em um citytur que fizemos pela cidade conhecemos melhor a situação da crise.

Sinal de Crise: lojas da Louis Vuitton e marcas famosas no mundo inteiro, cobiçadas principalmente por mulheres que gastam dinheiro sem medo de ser feliz (ou falir), receberam a ordem por parte do governo de permanecerem fechadas (sem previsão de reabertura), porque o país não suporta importações de grande custo.

Sem estrutura para desembolsar com grandes tecnologias: No centro de uma famosa praça em Buenos Aires, foi instalada um monumento simbolizando uma enorme orquídea de metal para homenagear mulheres nos dias 8 de março (dia das mulheres), a gigantesca flor se fecha e abre certos períodos. Mas hoje a encantadora obra fica aberta permanentemente, porque o mecanismo que movia as pétalas prateadas está quebrado, mas o conserto é muito caro e o país não possui verba para isso. Uma pena!

Por Joyce Barreto Chicon

Já se foi o tempo: em que o Real tinha uma vantajosa cotação sob o Peso, e os brasileiros faziam compras e mais compras sem preocupações, agora a história mudou, e muito. O número de pessoas com dificuldades financeiras na Argentina só cresce em 2013.

Se nós brasileiros reclamamos com muita razão da inflação do nosso país, agora é a vez dos Argentinos, isso porque as consultorias privadas estimam um aumento de 25% apenas nesse ano. A inflação subiu e os preços não param de aumentar. Mas isso ainda é só o começo, o país vem lutando sem sucesso, é a terceira vez que buscam renegociar sua dívida de mais de US$ 100 bilhões, fruto da moratória decretada em 2001.

Mais caro que no Brasil: Como afirmei, em uma viagem à Argentina podemos perceber que realmente existem coisas que vale a pena comprar por lá, como POUCAS peças de couro, porém se pesquisarmos bem aqui no Brasil conseguimos encontrar a mesma peça pelo mesmo preço ou ainda mais barato.

Em pesquisas sobre a economia do país, temos uma afirmação considerável. “A Argentina tem problemas estruturais, provocados pela insegurança fiscal, dificuldades para financiar sua dívida, déficit na balança de pagamentos e um câmbio paralelo que ajuda a impulsionar a inflação. Hoje fazer uma compra no supermercado, que em Curitiba custaria R$ 30, em Buenos Aires sai por R$ 50”, diz Masimo Della Justina, professor de economia da PUCPR.

Más notícias:
Mas essa crise pode ficar muito pior em curto período, a Argentina reduziu as compras de produtos brasileiros, e exporta a soja que é sua maior produção nos últimos anos, por um preço mais elevado que o de costume. Ou seja, nós brasileiros também somos afetados pela crise.

Parece que não tem como piorar, mas infelizmente tem, pois a expectativa é que economia Argentina tende a cair ainda mais em 2014.

VÁ PARA A ARGENTINA!
Ainda assim a experiência de conhecer o país vizinho vale a pena. Mesmo com tudo isso citado acima? SIM!
Deixando o consumismo exacerbado de lado, é possível sair da Argentina mais do que satisfeito e enriquecido pela história do país. A cultura é riquíssima, o país conservador e patriota que preza por suas músicas, tradições e revela ainda ensinamentos de uma história escondida em igrejas, cemitérios, restaurantes, nas próprias ruas, e na memória de cada cidadão.

Basta você entender para que realmente vale a pena fazer uma viagem, adicionar objetos nas malas pode até gerar algo parecido com a felicidade, mas passa rápido e suas economias só diminuem. Mas adicionar experiências e conhecer o novo é enriquecedor e gera histórias pelo resto da vida!

----

Dados e informações:
Citytur em Buenos Aires, monitorado pela CVC.
Gazeta do povo
La Razon
E La Nacion




sábado, 5 de outubro de 2013

Enfim... Férias!

Outubro chegou com a tão esperada: FÉRIAS.
E hoje arrumo as malas para curtir uma viagem com o namorado por Buenos Aires, e quando eu voltar espero ter muitas novidades para contar.


A minha ansiedade é na verdade pelo descanso mental, para quem acompanha meus posts sabe bem do que estou falando. Eu só quero descansar, me entregar ao silêncio, a novos ares, um pouco do novo na minha vida e tranquilidade. Espero preencher bem as minhas expectativas!


É isso aí, então... Eu vou viajar, beijos e até o próximo post ;)