sábado, 12 de outubro de 2013

En Buenos Aires: A crise da Argentina

A crise que ninguém te contou, porque é camuflada pelo país vizinho, mas faz uma grande diferença no bolso dos turistas
Joyce Barreto Chicon
(fontes creditadas no final do post)



Sobre as novidades das férias vou postando por partes, voltei de Buenos Aires na quinta-feira (10/10/2013). Fomos meu namorado e eu, e ficamos hospedados bem no centro da Cidade, muito próximo ao Obelisco. A viagem foi excelente, fizemos o mais interessante: conhecer lugares e histórias, além de adicionar novas experiências.

Vai ter gente que ao ler este meu post vai achar a maior besteira, meus cumprimentos a vocês, mas é hora de viver um pouco a realidade e manter-se mais informado!

Antes de viajarmos ouvimos de amigos e conhecidos que lá em Buenos Aires era excelente para compras, a comida super barata, o couro barato, apesar de preferir acrescentar experiências a que gastar dinheiro com o que não acrescenta nada. Imaginamos que voltaríamos com uma segunda mala de presentinhos... E não passou disso, ficou só na imaginação.

Vou contar uma coisa a vocês, que entendemos melhor por lá, a crise da Argentina vai além do que vemos nos jornais aqui no Brasil. Lendo notícias que só circulam pelo país, e nada transparente para os turistas interessados em conhecer a cidade dos portenhos.

Por Joyce Barreto Chicon

A percepção começa quando um cafezinho custa $25 pesos, o que equivale cerca de R$ 5 a R$ 6 (isso se a cota que você conseguir for maior que a oficial no país, do contrário seu café equivale cerca de R$ 8), o que convenientemente concordamos que é o nosso café caro aqui no Brasil.

Pois é, isso é um exemplo de que nem tudo o que todos acham super barato por lá, será barato também na sua opinião. Confesso que desde o simples café, um almoço e os preços expostos nas vitrinas nos surpreenderam muito.

Vamos aos fatos

As notícias contam que os preços no país sobem a cada semana, e isso faz parte da nova política econômica que vem sendo adotada nos últimos cinco meses na Argentina. Em um citytur que fizemos pela cidade conhecemos melhor a situação da crise.

Sinal de Crise: lojas da Louis Vuitton e marcas famosas no mundo inteiro, cobiçadas principalmente por mulheres que gastam dinheiro sem medo de ser feliz (ou falir), receberam a ordem por parte do governo de permanecerem fechadas (sem previsão de reabertura), porque o país não suporta importações de grande custo.

Sem estrutura para desembolsar com grandes tecnologias: No centro de uma famosa praça em Buenos Aires, foi instalada um monumento simbolizando uma enorme orquídea de metal para homenagear mulheres nos dias 8 de março (dia das mulheres), a gigantesca flor se fecha e abre certos períodos. Mas hoje a encantadora obra fica aberta permanentemente, porque o mecanismo que movia as pétalas prateadas está quebrado, mas o conserto é muito caro e o país não possui verba para isso. Uma pena!

Por Joyce Barreto Chicon

Já se foi o tempo: em que o Real tinha uma vantajosa cotação sob o Peso, e os brasileiros faziam compras e mais compras sem preocupações, agora a história mudou, e muito. O número de pessoas com dificuldades financeiras na Argentina só cresce em 2013.

Se nós brasileiros reclamamos com muita razão da inflação do nosso país, agora é a vez dos Argentinos, isso porque as consultorias privadas estimam um aumento de 25% apenas nesse ano. A inflação subiu e os preços não param de aumentar. Mas isso ainda é só o começo, o país vem lutando sem sucesso, é a terceira vez que buscam renegociar sua dívida de mais de US$ 100 bilhões, fruto da moratória decretada em 2001.

Mais caro que no Brasil: Como afirmei, em uma viagem à Argentina podemos perceber que realmente existem coisas que vale a pena comprar por lá, como POUCAS peças de couro, porém se pesquisarmos bem aqui no Brasil conseguimos encontrar a mesma peça pelo mesmo preço ou ainda mais barato.

Em pesquisas sobre a economia do país, temos uma afirmação considerável. “A Argentina tem problemas estruturais, provocados pela insegurança fiscal, dificuldades para financiar sua dívida, déficit na balança de pagamentos e um câmbio paralelo que ajuda a impulsionar a inflação. Hoje fazer uma compra no supermercado, que em Curitiba custaria R$ 30, em Buenos Aires sai por R$ 50”, diz Masimo Della Justina, professor de economia da PUCPR.

Más notícias:
Mas essa crise pode ficar muito pior em curto período, a Argentina reduziu as compras de produtos brasileiros, e exporta a soja que é sua maior produção nos últimos anos, por um preço mais elevado que o de costume. Ou seja, nós brasileiros também somos afetados pela crise.

Parece que não tem como piorar, mas infelizmente tem, pois a expectativa é que economia Argentina tende a cair ainda mais em 2014.

VÁ PARA A ARGENTINA!
Ainda assim a experiência de conhecer o país vizinho vale a pena. Mesmo com tudo isso citado acima? SIM!
Deixando o consumismo exacerbado de lado, é possível sair da Argentina mais do que satisfeito e enriquecido pela história do país. A cultura é riquíssima, o país conservador e patriota que preza por suas músicas, tradições e revela ainda ensinamentos de uma história escondida em igrejas, cemitérios, restaurantes, nas próprias ruas, e na memória de cada cidadão.

Basta você entender para que realmente vale a pena fazer uma viagem, adicionar objetos nas malas pode até gerar algo parecido com a felicidade, mas passa rápido e suas economias só diminuem. Mas adicionar experiências e conhecer o novo é enriquecedor e gera histórias pelo resto da vida!

----

Dados e informações:
Citytur em Buenos Aires, monitorado pela CVC.
Gazeta do povo
La Razon
E La Nacion




2 Opiniões:

jjrodrigues disse...

Excelente publicação... Muito bom, Parabens!!!

jjrodrigues disse...

Excelente post... Muito bom, parabens!!!