segunda-feira, 26 de maio de 2014

Hérnia de disco

Previna-se desse mal
A hérnia é um problema que afeta boa parte da população. A hérnia de disco é frequente nas regiões lombar e cervical, áreas expostas a movimentos. Mas tem também a inguinal, que afeta outros membros do corpo, como a virilha e as partes íntimas, abdominal e umbilical, mais comum em crianças e pessoas mais jovens. “Pessoas que se submetem a esforços físicos excessivos e movimentos repetitivos são as maiores vítimas da hérnia de disco”, afirma Aníbal Dragão, neurocirurgião do Hospital Balbino. “A dor é o principal sintoma da hérnia de disco, e a dor ciática atinge as costas e pode afetar até o nervo do pé, provocando dormência, fraqueza e impotência funcional dos nervos. Dependendo do caso, a pessoa não aguenta nem andar”, explica.

Causas
Levantar peso, má postura, inclinar e girar o corpo frequentemente, entre outras atividades que comprometam a coluna estão entre as causas do problema. A obesidade é outro fator de risco, pois essas pessoas sentem-se mais fatigadas. Se apresentar sinais de exaustão, relaxe, pois forçar a coluna pode romper os discos.  A hérnia de disco pode se manifestar em qualquer idade. “É mais comum entre jovens e adultos, pois são pessoas que se dispões a levantar peso e se movimentam mais repetidamente por motivos de trabalho. Crianças e idosos dificilmente se esforçam mais do que podem, pois geralmente respeitam seus limites”, observa Dragão.

Diagnóstico e tratamento
O tratamento nem sempre é cirúrgico. Mas se for, exige até três dias de repouso absoluto. Após esse período a pessoa deverá aguardar alta médica para voltar às atividades normais. Hoje, uma hérnia lombar pode até ser tratada por fisioterapia e acupuntura. No caso da cervical, se grave, a cirurgia é sempre o procedimento mais indicado. Caso contrário, o tratamento pode ser via oral feito só por prescrição médica.

Previna-se
Fique de olho na postura e nunca carregue um peso maior do que pode suportar. Faça alongamento e exercícios abdominais para fortalecer a musculatura. Caminhe pelo menos 30 minutos por dia. Mantenha-se em seu peso ideal.


Pós-cirurgia
Se o único método para tratar for a cirurgia, siga todas as recomendações médicas, caso não respeitar o repouso, poderá sentir as consequências após anos do procedimento. “Acontece que este tipo de cirurgia requer repouso absoluto, independente da hérnia diagnosticada, caso contrário poderá haver problemas futuros, como dores locais, ou incômodos em casos de má posição”, instrui o neurocirurgião.

TIPOS MAIS COMUNS
Lombar
Quando os discos sofrem o desvio e o núcleo intervertebral comprime uma das raízes do nervo ciático, provoca uma forte dor nas pernas. Se o deslocamento acontece do lado direito, a dor será na perna direita e vice-versa.

Cervical

Assim como a hérnia de disco lombar, a cervical também acontece por um deslocamento no núcleo e pode comprimir as raízes nervosas cervicais. Neste caso, os membros afetados são braços, ombros, tórax (mais raro acontecer) e na região do pescoço, podendo causar certa deformidade.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

O T.O.C. em uma versão emocionante

Neil Hilborn mostra o que é de verdade o T.O.C – Transtorno Obsessivo Compulsivo. Ganhou diversos prêmios por transformar estes transtornos em um emocionante e divertido poema. Assista ao vídeo...

segunda-feira, 12 de maio de 2014

S.O.S. animal - Primeiros socorros

Saiba como ajudar a salvar a vida de seu bichinho de estimação com orientação e dicas práticas de primeiros socorros

Seu pet se acidentou? Sofreu um derrame? Teve crises de diarreia? Calma! Diante de uma emergência de socorro, a primeira coisa a fazer é evitar o pânico, alerta a veterinária Carla Alice Berl, do Hospital Pet Care. Quando seu pet passa por apuros em casa, diz ela, é necessário saber o que fazer antes de recorrer ao veterinário. Além disso, Carla adverte: não subestime um olhar cabisbaixo e nem tampouco o sono constante de seu bichinho. Ignorar alguns sintomas de que algo não vai bem é uma atitude que pode colocar em risco a vida de seu amigo. Saiba o que fazer antes de buscar ajuda profissional.

Traumáticos
Os principais traumas são brigas, atropelamento e quedas. Diante de alguma dessas situações, não mexa no animal. “Passe um lençol por baixo do animal, peça ajuda de alguém próximo (como um vizinho, se não tiver ninguém em casa), coloque-o sobre um lugar plano e chame o veterinário”, ensina Carla. Depois de sofrer um trauma, ele provavelmente estará sentindo muita dor. Então é normal que fique agressivo e até responda, à sua tentativa de ajuda com uma mordida. “É completamente normal, funciona como uma forma de defesa, por isso não fique irritado”, salienta a veterinária. Tenha sempre perto uma focinheira. Verifique se há sangramentos e tente estancá-lo. “Nunca tente deslocar ou puxar membros que pareçam fraturados. Você pode agravar o problema, alerta Carla.

Gastrointestinais
Os bichinhos são curiosos e é natural que comam o que não devem, inclusive, alimentos recheados de veneno para ratos. Por isso todo cuidado é pouco. Não deixe ao alcance dos animais. Os cachorros são as maiores vítimas, pois estão sempre farejando em busca de alimentos. Vômitos e diarréias estão entre os primeiros sintomas de que algo não caiu bem no estômago do pet. Fique atento a presença de sangue, convulsões e tremedeira, outros sintomas de envenenamento. “Nunca force o vômito, leve-o imediatamente ao veterinário”, diz Carla. Se apresentar vômitos frequentes, fique de olho na cor. A cor escura é sintoma de gastrite forte. Já o amarelado não é tão alarmante, mas pode indicar problemas no fígado ou rim. Acontece quando come algo a que não está acostumado. O que faz o organismo rejeitar. Mesmo assim, fique em estado de alerta. Se isso sempre ocorre é preciso investigar as causas.


Cardíacas
Um animal cardíaco apresenta intensa falta de ar, fica ofegante e, em casos mais graves, com a língua arroxeada e desmaios constantes. Não medique seu bichinho. “O único que poderá investigar as causas e tratá-lo é o veterinário”, diz Carla. Em gatos, os problemas são mais comuns. Fique atenta se o bichano apresentar cansaço, falta de apetite e ficar constantemente fatigado. Alguns cães possuem problemas de traqueia flácida. Ficam desesperados, andando de um lado para o outro e puxando o ar como se estivesse engasgado. Acalme-o. Diante da situação, massageie levemente de cima para baixo o pescoço do cão, como se o estivesse acariciando. Sopre bem devagar às narinas dele. “Isso ajuda a dilatar a traqueia, facilitando a respiração do animal”, ensina a veterinária.

Neurológicas
Normalmente, o sinal vem de convulsões, não tente pegar o animal, isso é muito perigoso. Retire qualquer objeto de perto, preste atenção no tempo de duração da crise. Se ocorrer por cerca de um minuto, aguarde a crise passar e leve-o ao veterinário. “Convulsões prolongadas podem causar edema cerebral com sequelas irreversíveis”, frisa Carla. Animais também sofrem Acidente Vascular Cerebral, o famoso AVC. Se perceber que seu bichinho apresenta algum problema de coordenação motora, procure ajuda para investigar a causa.

Machucou? Curativo nele
Raspe os pelos em volta do ferimento e lave bem a região com sabão neutro. Aplique um antisséptico com algodão e evite o contato com sua pele. Para isso, use luvas descartáveis. Após o procedimento, não coloque gaze ou abafe o ferimento. Essa atitude prejudica a cicatrização. Para evitar que o animal lamba o machucado, deixe-o com o cone protetor até a total cicatrização.

Tenha sempre a mão (BOX)
 Glicerina líquida
 Antisséptico
 Mertiolate
 Algodão
Luvas descartáveis
 Cone protetor
Posted on segunda-feira, maio 12, 2014 | Categories:

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Cutucar os ouvidos, nem pensar!

Atente-se aos hábitos com a higiene de seus ouvidos. O que você acredita ser inofensivo pode colocar em risco a sua audição


Esqueça as hastes flexíveis de uma vez por todas quando o assunto for limpar os ouvidos. O otorrinolaringologista Sérgio Ricardo, do Hospital Balbino, desmistifica tudo o que aprendemos a respeito da higiene auditiva. A audição é quase vital e alguns hábitos errados podem comprometê-la de verdade. “Ao contrário do que muita gente pensa, cera não é sujeira. Pelo contrário. Ela é de extrema importância na proteção dos tímpanos e deve ser preservada. Preserva o canal auditivo, inclusive, contra insetos, água contaminada, cloro, pó e até poluição”, afirma o especialista. Segundo ele, a limpeza é mais simples do que você imagina. “O melhor lugar para isso é no chuveiro. Com as pontas dos dedos, sem utilizar as unhas, retire o excesso de cera, ao se enxugar, passe uma ponta da toalha em volta da orelha para tirar o que realmente for sujeira”, explica o médico. A limpeza profunda só é recomendada para quem está prestes a perder a audição e com ajuda médica, auxilia Sérgio Ricardo.

Objetos perigosos
Quem nunca viu ou conhece alguém que tem a péssima mania de coçar a orelha com chaves, tampas de caneta e até com a unha do dedinho? Este hábito além de nada higiênico é perigoso e, com o tempo, pode desencadear problemas irreversíveis, como traumas e até a surdez.

Ouvido entupido
Qualquer alteração na audição é incômoda. Acontece muito quando passamos por uma serra, durante um mergulho ou a bordo de um avião. O ouvido possui uma tuba auditiva que pode ser acometida por ar diante qualquer pressão. No avião, o problema ocorre devido à altitude. Um mergulho, dependendo da profundidade, pode até romper seus tímpanos. Vale ressaltar: quem se dispõe a mergulhar não pode ter desvio de septo ou problemas respiratórios.

Por Joyce Barreto Chicon 
Para Editora Escala
Posted on segunda-feira, maio 05, 2014 | Categories: